PUBLICIDADE
Importante
EUA prometem defesa de Taiwan em caso de invasão; China diz a Biden que não a subestime
23/05/2022 12:12 em MUNDO

O presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, comprometeu-se, nesta segunda-feira (23), com a defesa militar de Taiwan se a China tentar tomar pela força o controle da ilha autônoma, ao mesmo tempo que advertiu que Pequim "flerta com o perigo". 

Biden fez as declarações em Tóquio, durante uma visita oficial ao Japão, onde se reuniu com o primeiro-ministro Fumio Kishida. No fim de semana, ele visitou a Coreia do Sul.

O governo americano considera Japão e Coreia do Sul eixos da ofensiva dos Estados Unidos contra a crescente força comercial e militar da China, assim como parceiros na aliança ocidental para isolar a Rússia após a invasão da Ucrânia. 

Em uma entrevista coletiva conjunta, Biden e Kishida adotaram um tom firme a respeito da China e defenderam a "visão comum de (uma região) Indo-Pacífico livre e aberta". Também concordaram na necessidade de vigiar a atividade naval chinesa em uma região na qual Pequim tem grandes ambições.

Ao ser questionado se Washington atuaria militarmente contra Pequim em caso de tentativa chinesa de tomar o controle de Taiwan pela força, o presidente americano respondeu: "É o compromisso que assumimos". 

"Concordamos com a política de uma só China, aderimos a ela (...) mas a ideia de que Taiwan pode ser tomada à força não é apropriada, deslocaria toda a região e seria outra ação semelhante a da Ucrânia", disse Biden. 

A China está "flertando com o perigo", acrescentou Biden, em referência ao número crescente de manobras chinesas, com exercícios navais e obras de construção na região. 

A China considera Taiwan uma província rebelde que deve ser reintegrada ao país, inclusive pela força, se necessário.

Pouco depois, a China respondeu rapidamente que está disposta a defender seus interesses nacionais em Taiwan.

"Ninguém deveria subestimar a firme determinação, a firme vontade e capacidade do povo chinês de defender a soberania nacional e a integridade territorial."

"A questão de Taiwan é um tema puramente interno da China", acrescentou.

 

Rússia "deve pagar o preço" 

Biden também atacou o governo russo, que "tem que pagar um preço a longo prazo por sua barbárie na Ucrânia", em referência às sanções impostas por Washington e seus aliados. 

"Não se trata apenas da Ucrânia", declarou Biden. "Se as sanções não forem mantidas em muitos aspectos, que sinal enviaríamos à China sobre o custo de uma tentativa de tomar Taiwan pela força?", perguntou.

Na terça-feira, Biden tentará reforçar a liderança americana na região Ásia-Pacífico em uma reunião de cúpula com os chefes de Governo da Austrália, Índia e Japão, o grupo conhecido como "Quad". 

A Índia, no entanto, se recusou a condenar até o momento de maneira aberta a guerra na Ucrânia, ou a reduzir os negócios com a Rússia. Biden terá uma reunião com o primeiro-ministro indiano, Narendra Modi. 

A viagem de Biden pela Ásia é marcada pelo temor de que a Coreia do Norte teste um míssil com capacidade nuclear ou até mesmo uma bomba, o que não aconteceu durante a visita a Seul. 

Mas a ameaça persiste, de acordo com o conselheiro de Segurança Nacional da Casa Branca, Jake Sullivan. 

"Se a Coreia do Norte agir, estaremos preparados para responder. Se a Coreia do Norte não agir, terá a oportunidade, como já afiramos, de comparecer à mesa lo de negociações", declarou. 

Pyongyang rejeitou até o momento os pedidos americanos de diálogo, segundo fontes da Casa Branca, ignorando inclusive as ofertas de ajuda para combater um surto repentino de covid-19. 

 

Nova iniciativa comercial

Ao mesmo tempo, o presidente americano anunciou nesta segunda-feira em Tóquio o lançamento de uma nova iniciativa econômica para a região Ásia-Pacífico, que inicialmente terá 13 países-membros, incluindo a Índia e Japão, mas sem a China. 

Biden apresentou oficialmente o Marco Econômico Indo-Pacífico para a Prosperidade (IPEF, na sigla em inglês). 

"Acredito que juntos vamos vencer a concorrência do século XXI", disse Biden durante o lançamento, ao lado de Kishida e de Narendra Modi - os demais países participaram virtualmente. 

Ao contrário dos blocos comerciais tradicionais, não há planos para o IPEF negociar tarifas ou para a abertura dos mercado.

Os 13 países membros buscam a integração em quatro áreas cruciais: economia digital, cadeias de abastecimento, energias verdes e combate à corrupção. 

A lista inicial de membros inclui Estados Unidos, Austrália, Brunei, Índia, Indonésia, Japão, Malásia, Nova Zelândia, Filipinas, Singapura, Coreia do Sul, Tailândia e Vietnã. 

"É um compromisso para trabalhar com nossos amigos próximos e sócios na região, diante de desafios para garantir a competitividade econômica no século XXI", acrescentou o presidente americano.

O governo dos Estados Unidos não tem grande interesse em retornar a um acordo comercial vinculante com a Ásia depois que o ex-presidente Donald Trump se retirou, em 2017, do Tratado de Parceria Transpacífica.

Biden encerrou o dia com um jantar com Kishida e a esposa do primeiro-ministro no jardim de um restaurante exclusivo de Tóquio. 

COMENTÁRIOS