PUBLICIDADE
Importante
Após absolvição de crimes, igreja pede a fiéis que perdoem pastor: ‘Todos pecaram’
20/11/2022 20:57 em MUNDO

A equipe de liderança de uma megaigreja pediu aos membros que estendessem perdão ao pastor que, embora tenha sido inocentado de acusações relacionadas a prostituição de menores, continua respondendo aos trâmites judiciais.

A Rock Church International citou Romanos 3:23 ao pedir aos membros que estendessem o perdão ao reverendo John Blanchard. Na ocasião, a igreja anunciou que ele “renunciou voluntariamente como pastor principal e de todos os seus deveres ministeriais” pela segunda vez em pouco mais de um ano após sua prisão por solicitação de prostituição no outono passado.

“Sob a orientação de nosso advogado, não podemos fazer uma declaração ou comentário sobre as acusações contra o Rev. John Blanchard neste momento. Estamos todos comprometidos em andar em integridade e verdade na Rock Church International e continuaremos a tomar medidas para fazê-lo”, introduziu o comunicado da diretoria.

Em outubro, o pastor foi inocentado das acusações de procura por sexo com menores de idade, mas os trâmites judiciais ainda estão em andamento. “O pastor Blanchard voluntariamente se afastou do cargo de pastor principal e de todos os seus deveres ministeriais até que esta situação atual seja totalmente resolvida”, acrescentou a igreja, que reúne semanalmente aproximadamente 2 mil pessoas nos cultos.

“Como seguidores de Cristo, devemos lembrar que redenção, salvação, graça, misericórdia e cura são dons concedidos aos filhos de Deus. Embora todos devam lidar com suas próprias convicções e consequências, nossa tarefa como crentes não é condenar, mas ser agentes do amor, cura, justiça e reconciliação de Deus”, ponderou a diretoria.

Lembrando que “todos pecaram e carecem da glória de Deus” (Romanos 3:23), os membros da diretoria argumentaram em favor do perdão ao pastor lembrando que “se quisermos andar na eternidade com Cristo, nossa posição deve ser de verdade, amor, fé, misericórdia, justiça e perdão”.

A acusação

De acordo com informações do portal The Christian Post, o pastor Blanchard, 52 anos, estava entre os 17 homens acusados de solicitação de prostituição após uma operação policial online em 29 de outubro de 2021.

Casado, pai de dois filhos, Blanchard foi acusado de solicitação de prostituição de menor e uso de um veículo para promover a prostituição. Ele foi preso em um hotel onde deveria encontrar um detetive se passando por uma garota de 17 anos, mas os fatos da ocasião permitem uma interpretação dúbia, já que o pastor nunca falou explicitamente em sexo com a garota de programa.

Em sua defesa, o pastor afirmou que que não tinha certeza do que teria acontecido se o plano de encontrar com a jovem tivesse se materializado e que pretendia apenas conversar.

A polícia diz que Blanchard iniciou o bate-papo respondendo a um anúncio apresentado como uma garota de 19 anos em um site que “obtinha imagens pornográficas”: “Ele perguntou se ela estava disponível em Richmond e eu disse que sim. Ele perguntou onde eu estava localizado e eu disse perto do shopping Chesterfield. Ele disse que faria o GPS e que estava a 23 minutos e que iria buscar o carro e chegaria por volta das 2h30”, afirmou o investigador.

“Perguntei o que ele queria para saber quanto eu deveria dizer para ele trazer. Ele disse ‘hhr’, o que representa meia hora e eu citei US$ 80 para ele. Ele perguntou se eu era afiliado à aplicação da lei e eu disse que não, e perguntei o mesmo a ele”, acrescentou o investigador.

Em textos subsequentes, o investigador perguntou ao pastor o que ele queria “para que eu soubesse que ele estava trazendo o dinheiro”. O pastor, então, respondeu “qv”, que de acordo com a polícia significa “uma ‘visita rápida’ no mundo da venda de sexo”.

Quase meia hora depois, o oficial disse a Blanchard que o preço do que ele queria seria de US$ 70. Quando o policial perguntou sua idade, ele alegou que tinha 40 anos: “Às 14h49 eu disse ao suspeito que tenho 17 anos e se isso não for legal, eu vou pegar. Ele então afirmou que estava perto do shopping e perguntou para onde ir. Perguntei se ele estava pronto […] e ele perguntou onde eu estava. Perguntei se ele tinha meu dinheiro e ele disse que ‘responderia a todas as perguntas quando nos encontrássemos’”, disse o relatório da polícia.

Blanchard foi posteriormente preso no hotel onde havia planejado seu encontro. Ele também foi forçado a se afastar da liderança como resultado da prisão na época. Depois de quase um ano de manobras jurídicas, as acusações contra Blanchard foram retiradas temporariamente, mas poderiam ser reapresentadas.

Inocentado

Em uma declaração de 11 de outubro no Facebook, os funcionários da Rock Church anunciaram que Blanchard foi inocentado de todas as acusações pelos promotores do tribunal do condado de Chesterfield.

“O promotor em uma declaração ao Tribunal indicou que, devido a novas informações que surgiram e à falta de provas, eles não continuarão com as acusações contra Blanchard. Esta exoneração ocorre após quase 11 meses de atrasos e andamentos. O advogado de defesa declarou na terça-feira que estava satisfeito com o resultado”, disse a igreja há pouco mais de um mês.

“O pastor Blanchard continuamente professou sua total inocência neste caso. Durante esse tempo, ele se afastou de seus deveres pastorais”. A bispa Anne Gimenez, que atualmente lidera a igreja junto com a esposa de Blanchard, pastora Robin, afirmou que a igreja sempre teve fé na inocência de Blanchard e que ele seria reintegrado.

“Sempre acreditamos na inocência de John. Sua humildade e submissão aos que estavam acima dele durante esse tempo foram um testemunho de seu caráter. Ele passou o tempo em jejum e oração e investiu muito de seu tempo em sua família e educação. Prevemos sua retomada dos deveres da igreja em um futuro próximo”, disse Anne.

Documentos que vieram à tona recentemente sobre a situação judicial do pastor tornaram a situação mais complexa para que os fiéis aceitassem o retorno dele às atividades. Durante seus depoimentos à Justiça, o pastor e seu advogado alegaram que seu envolvimento com o submundo da prostituição era motivado pela iniciativa de aconselhamento a criminosos sexuais, e evidências disso foram mostradas à Justiça.

Porém, um promotor rejeitou essa argumentação porque o pastor escalado pela igreja para esse tipo de aconselhamento era outro, e as reuniões feitas por Blanchard aconteciam em um local não aprovado ela diretoria da igreja.

“Na última audiência de Blanchard no tribunal, da qual fui dispensado, o caso foi encerrado. Esta decisão foi autorizada pela CA Davenport devido à falta de provas”, disse o promotor Tim Anderson, que continuou questionando a decisão da advogada do condado de Chesterfield, Stacey Davenport, de desistir do caso contra Blanchard.

Para ele, a forma como o caso contra Blanchard foi concluído não significa que ele não seja culpado: “A conclusão de um caso por ordem de nolle prosequi não tem o mesmo efeito legal que uma declaração de inocência. Não posso pronunciar-me sobre a pertinência de declarações públicas de outras entidades sobre este ou qualquer outro caso em que o meu gabinete esteja envolvido”, disse o promotor.

Em seu comunicado, a Rock Church observou que todos os seus membros, especialmente seus líderes, são mantidos em um alto padrão de responsabilidade e estão comprometidos com a honestidade e integridade na investigação de má conduta sexual:

“A Rock Church encoraja estilos de vida piedosos por todos os seus membros e líderes, de acordo com os princípios da Bíblia. A Igreja condena a imoralidade sexual de qualquer tipo e em qualquer forma por parte de seus membros e líderes e, especialmente, exige de seus líderes um alto padrão de responsabilidade sobre quaisquer escolhas de estilo de vida que possam refletir negativamente na reputação da Igreja ou depreciar o caráter do Salvador a quem pretende representar”, disse o comunicado.

“A Rock Church está comprometida com a honestidade e integridade ao lidar com acusações de má conduta sexual ou imoralidade entre seus líderes e apoiará qualquer investigação decorrente de acusações de violação deste padrão entre seus funcionários e líderes em um esforço para encontrar a verdade e proteger seus membros, famílias da igreja e seus filhos, em todos os momentos”, finalizou.

COMENTÁRIOS