PUBLICIDADE
Importante
Kushner afirma que judeus americanos estão 'mais seguros na Arábia Saudita' do que em campus universitário
02/11/2023 11:56 em MUNDO

O contínuo debate sobre a guerra de Israel com o grupo terrorista Hamas ressurgiu em várias manifestações e protestos de estudantes em campi universitários

Jared Kushner, genro e ex-conselheiro do ex-presidente Trump, sugeriu no último domingo (29/10) que a Arábia Saudita é "mais segura" para os judeus americanos do que os campi universitários, após uma enxurrada de protestos contra a guerra entre Israel e Hamas em todo o país.

"Uma das ironias é que, como judeu americano, você está mais seguro na Arábia Saudita neste momento do que em um campus universitário como o da Universidade de Columbia", disse Kushner no programa "Sunday Morning Futures" da Fox News. "Eu falei na conferência. Eles me permitiram falar livremente."

O contínuo debate sobre a guerra de Israel com o grupo terrorista Hamas ressurgiu em várias manifestações e protestos de estudantes em campi universitários.

Centenas de estudantes realizaram manifestações na Universidade de Columbia, em Nova York, com apoiadores de ambos os lados saindo para protestar uns contra os outros no início deste mês. O campus da Universidade de Columbia foi fechado como medida de segurança no início deste mês como resultado disso.

Kushner afirmou que recentemente retornou de uma viagem à Arábia Saudita, onde sentiu um "grande desgosto" com os ataques terroristas perpetrados pelo Hamas.

No mês passado, várias administrações universitárias foram alvo de críticas de estudantes de ambos os lados, que alegaram que suas escolas não foram suficientemente enfáticas na condenação da violência durante o conflito entre Israel e o Hamas.

Em Boston, a Universidade de Harvard foi alvo de críticas depois que uma organização estudantil emitiu um comunicado que culpava Israel pelo massacre sangrento do Hamas em 7 de outubro contra centenas de civis. Tanto os alunos quanto os ex-administradores criticaram a resposta inicial da universidade por não abordar a carta polêmica.

Em Washington, D.C., a organização de estudantes "Students for Justice in Palestine" (Estudantes por Justiça na Palestina) da Universidade George Washington (GW) projetou mensagens na Biblioteca Alemã da instituição antes de serem fechadas pela polícia. As mensagens variavam desde críticas a Israel até condenações à univer e à sua presidente, Ellen Granberg.

As projeções receberam críticas tanto de democratas quanto de republicanos, que classificaram o protesto como antissemita. Um grupo de ex-alunos da Universidade George Washington no Congresso escreveu uma carta condenando as projeções e pediu ações adicionais por parte da instituição.

Outras universidades enfrentaram críticas por defenderem o direito à liberdade de expressão de professores que fizeram declarações durante o conflito entre Israel e o Hamas.

Um professor da Universidade de Yale foi duramente criticado por pedir um diálogo aberto e uma comunidade de respeito no campus, com mais de 40.000 pessoas assinando uma petição para que o professor fosse demitido.

Os confrontos em Israel e Gaza têm se prolongado por mais de três semanas desde que o Hamas realizou uma incursão sangrenta em Israel que matou mais de 1.400 israelenses em suas casas, em pontos de ônibus e em um festival de música. As forças israelenses afirmaram que o Hamas também capturou mais de 200 pessoas desde seus ataques iniciais em 7 de outubro.

Em resposta aos ataques, Israel lançou uma grande contraofensiva em Gaza, que incluiu centenas de ataques aéreos, vários bombardeios e um cerco a necessidades básicas como comida, água, combustível e suprimentos médicos.

Até o momento, o conflito resultou na morte de mais de 8.000 palestinos e deixou mais de 20.200 feridos, informou no domingo o Ministério da Saúde de Gaza.

Mais de 1 milhão de palestinos foram ordenados a evacuar seus bairros e se deslocar para o sul antes da esperada incursão terrestre. No entanto, o Hamas teria instruído os moradores a não deixarem suas casas, enquanto muitos civis não têm recursos para se deslocar para o sul.

COMENTÁRIOS